terça-feira, 25 de março de 2014

CONEXÃO DENISE ABREU com BENE BARBOSA: ataques ao Estado de Direito e à família

 

Denise Abreu e Bene Barbosa, do Movimento Viva Brasil, conversam sobre segurança, liberdade individual, as ameaças ao Estado de Direito e o desrespeito à vontade popular. É direito fundamental o de defesa própria e da família.

 




 

CONEXAO DENISE ABREU 2

LINKS DO MUNDO ONLINE “CONEXÃO DENISE ABREU

FANPAGE: http://www.fb.com/conexaodeniseabreu
TWITTER: http://www.twitter.com/conexaodenise
YOUTUBE: http://www.youtube.com/user/conexaodeniseabreu
BLOG: http://conexaodeniseabreu.blogspot.com.br/
GOOGLE+: http://plus.google.com/+ConexaoDeniseAbreu/posts
MIXCLOUD: http://www.mixcloud.com/conexaodeniseabreu

image

Sobre o Movimento Viva Brasil (http://www.mvb.org.br/):

“Quando, numa sociedade, o “bem comum” é considerado algo à parte e acima do bem individual, de cada um de seus membros, isso significa que o bem de alguns homens tem precedência sobre o bem de outros, que são relegados, então, à condição de animais prontos para o sacrifício."  Ayn Rand

O Movimento Viva Brasil é uma associação civil sem fins lucrativos, atuando de modo diversificado e que congrega entre os seus principais objetivos o apoio e o desenvolvimento direto de ações em defesa:

- dos direitos e garantias fundamentais do cidadão;
- da livre manifestação do pensamento;
- da livre expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação;
- do desenvolvimento humano pela prática desportiva;
- da preservação do patrimônio histórico.

O Movimento Viva Brasil e as armas de fogo.
O posicionamento ideológico da nossa entidade se assenta na premissa de que a população brasileira deve ter sempre preservada a liberdade individual de opção pela posse legal e responsável de armas de fogo, compreendidas como elemento necessário ao exercício eficaz do direito à legítima defesa, corolário do direito à vida e do princípio fundamental da dignidade da pessoa humana, assegurados constitucionalmente. Não defendemos de que a população deva se armar indistintamente, mas tomamos por inaceitável que lhe seja retirado o direito de escolha em o fazer ou não.

Tiro Desportivo e Colecionismo de armas.
Assentados nas disposições da Constituição da República que impõem ao Estado fomentar as práticas desportivas como direito de cada um, atuamos na defesa das modalidades em que se empregam armas de fogo, contribuindo para sua desmistificação e difundindo o esporte como forma de desenvolvimento humano e social, em ambientes saudáveis, de integração e, sobretudo, de absoluta segurança, permitindo-se, inclusive, que através da popularização desportiva se passe a compreender amplamente o funcionamento de tais equipamentos e, com isso, elimine-se seu uso civil inapropriado.

Do mesmo modo, compreendendo as armas de fogo como valioso elemento de registro da História, defendemos o direito do cidadão em mantê-las legalmente sob coleção, preservando-se o patrimônio histórico nacional e internacional, além de viabilizar o entendimento da evolução tecnológica do material bélico utilizado nos inevitáveis conflitos armados ao longo da evolução da humanidade.

Campanhas de desarmamento.
O Movimento Viva Brasil não apoia nenhum tipo de campanha que tenha por objetivo o desarmamento da população civil, tendo em vista o entendimento de que tais campanhas em nada contribuem para a redução da criminalidade, não trazendo, pois, mais segurança para a população. Tais ações, como se tem demonstrado, são fulcradas em questões subjetivas, números manipulados e visam somente o convencimento do cidadão honesto em abrir mão de um direito individual hoje garantido por lei e referendado pelo povo brasileiro na consulta popular realizada em 2005.

Movimento Viva Brasil e o respeito à regionalidade.
Sendo o Brasil um país de dimensões continentais, tem-se por frequente a inadequação de uma mesma norma ou política pública a todas as suas regiões, cujas necessidades próprias e peculiaridades culturais não se conseguem respeitar sem uma interação local. Por esse motivo, mantemos Coordenações Regionais em diversos estados, possibilitando-nos atuar de acordo com as efetivas características e necessidades de suas populações.

Lei 10.826/03 – O Estatuto do Desarmamento.
O Movimento Viva Brasil firma-se como crítico severo da atual lei de controle e fiscalização de armas de fogo no país, entendendo ser imperiosa sua ampla reformulação, haja vista que elaborada sob a perspectiva da proibição do comércio de tais produtos em território brasileiro, o que, como se sabe, foi maciçamente rejeitado pela população do país no Referendo de 2005. Trata-se, assim, de uma lei que destoa da vontade popular, o que, inclusive, claramente se identifica por sua própria nomenclatura comum, que se dissocia da regulamentação do controle e fiscalização, para tratar da eliminação das armas – “desarmamento” -, sendo adotada até mesmo pelo próprio Governo.
Além de contrariar a soberania popular, entendemos o chamado Estatuto do Desarmamento como uma norma agressora e impeditiva do exercício da opção individual por possuir legalmente uma arma de fogo. Uma lei elitista e discriminatória, uma vez que impõe custos e trâmites burocráticos capazes de tornar a compra de uma arma de fogo praticamente impossível, sobretudo para a parcela da população mais desfavorecida economicamente.

Natureza Jurídica.
Destoando do que se tornou a compreensão popular de tais entidades, o Movimento Viva Brasil também é uma Organização Não Governamental – ONG. Porém, ao contrário da maioria destas,  não nos é destinado absolutamente nenhum repasse de dinheiro público, concedidas quaisquer isenções fiscais de empresas, e muito menos de entidades ou governos estrangeiros, o que, entendemos, nos permite manter total isenção em nossas ações e posicionamentos críticos.
O Movimento Viva Brasil se mantém graças à colaboração e seus filiados, parceiros e apoiadores que compartilham dos nossos ideais e realmente acreditam em nosso árduo trabalho em sua defesa. Por isso, se seus posicionamentos ideológicos se alinham aos nossos, junte-se a nós. Seu apoio nos é de extrema importância.

8 comentários:

  1. Denise: Com tua licença, "invasões (do MST) acobertadas pelo governo"?
    É pior que isso: são FINANCIADAS COM DINHEIRO DOS IMPOSTOS PAGOS PELOS PRODUTORES RURAIS !

    Aí esta o opróbrio: agricultor paga impostos para financiar invasores em suas fazendas....

    Só no Brasil do triunvirato Lula Dirceu Dilma !

    ResponderExcluir
  2. me causou espécie ver o Datena, no seu programa, dizer que o povo decidiu no referendo (plebiscito segundo ele -- não deve saber a diferença) a favor do desarmamento! Espero que seja apenas ignorância... Se o Datena pensa assim, imagine o povão que tem menos cultura... =/

    ResponderExcluir
  3. Parabéns!!! O nosso governo está agindo sempre contra a vontade da maioria da população. Isso é uma afronta à democracia. A tripartição dos poderes já foi pro saco. Precisamos reagir!!!

    ResponderExcluir
  4. Parabéns Denise. Conte com meu voto

    ResponderExcluir
  5. Delegado Eder Redó28 de março de 2014 11:23

    Vocês estão se esquecendo dos índios, que também estão recebendo as "orientações" do MST e estão causando um enorme estrago na classe produtiva brasileira, em especial aqui no MS.
    Estes facínoras sem roupa (modo de dizer), os quais muitas vezes não são nem índios, desenterram um cadáver no cemitério da aldeia e na surdina enterram na reserva obrigatória da fazenda que pretendem tomar, então passados alguns meses vão à propriedade e um "coitadinho" diz "aqui tem vô meu enterrado" e mostra o exato lugar da cova... é feita a exumação e um estudo antropológico na ossada encontrada e voilá, é de um índio... o pobre fazendeiro que herdou as terras de gerações de sua família e estava, EFETIVAMENTE, contribuindo para o bem estar da nação perde a terra e passa a ser visto como grileiro.
    Esse meliantes estão conseguindo até desmoralizar o nosso Exército Brasileiro, quando, perigosamente, conseguiram a demarcação continua da reserva raposa-serra-do-sol, ao arrepio de parecer contrário do EB.
    Não sou produtor, sou DELEGADO de POLÍCIA CIVIL e estou deveras preocupado com os rumos que estamos tomando nessa minha gloriosa nação, pela qual, aliás, estou disposto a morrer, ainda, mesmo que seja insurgindo contra este governo déspota que pretende implantar mais uma republiqueta socialista.
    Viva 64 e seus preconizadores.
    Eder Redó

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Delegado Eder gostei da "orientações", mas isso é treinamento de guerrilha, vandalismo com o aval do nosso governo, com o nosso dinheiro, o que é pior.

      Excluir
  6. Delegado Eder Redó28 de março de 2014 11:48

    Lembrem-se dos ensinamento de Sr. Benjamim Franklin que dizia", lá nos idos de 1700 - "Se um governo não confia em seu cidadão armado, então quem não merece confiança é este governo".
    Muito bem lembrado pelo Bene as duas primeiras emendas à constituição dos EUA... a primeira trata da liberdade de expressão e a segunda da posse de armas, que existe para garantir a primeira emenda.
    Lembro-vos que não sou adepto de dizer que os EUA são o melhor país do mundo porque este país é o nosso, mas temos que reconhecer, invejar e almejar a democracia deles, ah! isso nos temos.
    Eder Redó

    ResponderExcluir